Inova Firjan SENAI: Alçatech auxilia costura de sutiã e promete reduzir o tempo de produção em até 70% | Cursos Firjan SENAI

A Firjan SENAI

Criada com o objetivo de desenvolver produtos capazes de promover um aumento na produtividade da indústria de moda íntima, a equipe de alunos de Mecatrônica e Gestão da Firjan SENAI Nova Friburgo desenvolveu o Alçatech, que ficou em segundo lugar no Demoday Inova Firjan SENAI e vai representar o estado na competição nacional. O equipamento auxilia o operador a costurar, não só sutiãs, mas diversas peças que utilizam alças de regulagem em sua composição, diminuindo o tempo do processo de produção em até 70%.  

O produto tem custo acessível e é capaz de coletar dados, a fim de ajudar o gestor em processos de tomada de decisão, ressalta Gabriel Antônio Lima de Moura, integrante da equipe. “A ideia partiu de outra integrante da equipe, a Franciellen, que trabalha na confecção da mãe e há um bom tempo vem lidando com processos de costura não automatizados e lentos. Por isso, ela enxergou a possibilidade de aplicar essa inovação para otimizar a produção”, conta. Além de Gabriel e de Franciellen Thurler Freire Allemão, completa a equipe o Pedro Henrique Marques dos Santos. 

Segundo Gil Mairon da Silva, coordenador de Educação Profissional da Firjan SENAI Nova Friburgo, esse trabalho ainda é muito manual. “A costureira pega a alça e costura na máquina travete (que tem como finalidade fazer travas em pontos específicos). Com o equipamento, as alças de sutiã serão levadas no ponto de costura e a costureira só vai colocá-lo no lugar certo. Esse tempo, segundo uma projeção feita, cai de 35 para 20 segundos com o uso do Alçatech”, explica.

Mairon espera que o grupo encontre logo investidores para a startup Mecatech. “A indústria de moda íntima só tem a ganhar ao colocar o Alçatech no mercado. Acredito que a automação para o setor de confecção ainda tem muito a ser explorado, e os alunos dos cursos técnicos da Firjan SENAI serão os profissionais do futuro, capazes de automatizar os processos fabris“, concluiu.